"Que te devolvam a alma homem do nosso tempo. Pede isso a Deus ou às coisas que acreditas: à terra, às águas, à noite desmedida. Uiva se quiseres, ao teu próprio ventre se é ele quem comanda a tua vida, não importa... Pede à mulher, àquela que foi noiva, à que se fez amiga. Abre a tua boca, ulula, pede à chuva. Ruge como se tivesses no peito uma enorme ferida, escancara a tua boca, regouga: A ALMA. A ALMA DE VOLTA." (Hilda Hilst)

03/01/2011

Outra homenagem: às Graças (ou Cárites) - que elas estejam sempre entre nós!!!

Cárites vem do grego: charein, que significa "rejubilar-se". As 3 Cárites ou Graças faziam parte do séquito de Afrodite. Os seus nomes são: "Agléia, que significa "explêndida beleza"; Eufrosina, que significa "pensamentos alegres, boa disposição"; e Tália, que significa "abundãncia, fartura" (...)
_
Enquanto Deméter fazia as plantas crescerem, o toque de Afrodite as fazia florescer. Ela realizava isso através das Cárites, cujo toque fazia com que a planta florescente deitasse botões e depois florescesse. Era também o toque das Cárites que faziam com que os frutos amadurecessem nas árvores. (...)
_
As Cárites também tinham um parentesco com as três Musas, as deusas da música, do canto, da dança, da poesia e da fala eloquente de cujo nome derivamos as palavras música, músico e museu, bem como o verbo em inglês "to muse", que significa meditar, refletir (...)
Em virtude de seu amor à dança, as Cárites também estavam próximas no coração e no espírito do deus Dioniso..."
(John A. Sanford, grifos meus)
______________________________________
Floresce, na orilha da campina,
esguio ipê
de copa metálica e esterlina.
Das mil corolas,
saem vespas, abelhas e besouros,
polvilhados de ouro,
a enxamear no leste, onde vão pousando
nas piritas que piscam nas ladeiras,
e no riso das acácias amarelas.

Dos charcos frios
sobem a caçá-los redes longas,
lentas e rasgadas de neblina.
Nuvens deslizam, despetaladas,
e altas, altas,
garças brancas planam.
Dançam fadas alvas,
cantam almas aladas,
na taça ampla,

na prata lavada,
na jarra clara da manhã...
(João Guimarães Rosa)