"Que te devolvam a alma homem do nosso tempo. Pede isso a Deus ou às coisas que acreditas: à terra, às águas, à noite desmedida. Uiva se quiseres, ao teu próprio ventre se é ele quem comanda a tua vida, não importa... Pede à mulher, àquela que foi noiva, à que se fez amiga. Abre a tua boca, ulula, pede à chuva. Ruge como se tivesses no peito uma enorme ferida, escancara a tua boca, regouga: A ALMA. A ALMA DE VOLTA." (Hilda Hilst)

24/05/2011

Lançamento do livro: Educar com Arteterapia!

Educar não será reprimir, mas ao contrário exprimir, liberar. Também não é imprimir, mas ao contrário, fazer brotar, fazer emergir... Menos ainda seria formar, impondo uma forma; ao contrário, seria desentranhar do mais fundo do ser a sua própria forma. Com efeito, o verbo educar vem do latim educere, e significa tirar fora, levar fora, extrair, desentranhar. Educar o homem significa portanto desentranhar a forma humana de dentro do prórpio homem, extraindo e revelando a sua própria e íntima essência.”
(Ysé Tardan-Masquelier)


Tenho o prazer de compartilhar com voc~es mais um lançamento de um livro que traz contribuições importantes da Arteterapia, no qual eu escrevi o artigo: A SABEDORIA ANCESTRAL: RAÍZES MÍTICAS DA CONSTITUIÇÃO DO SER E DA CONSTRUÇÃO DO SABER (p. 21 a 40), abaixo coloco o resumo do meu capítulo para vocês terem uma idéia do que trata:

RESUMO:
Atualmente, estamos num momento de mudança de paradigma, movido pela crise do racionalismo positivista que separa as luzes das sombras, que contrapõe o sujeito ao objeto, desembocando numa neutralidade desumanizadora. Na educação, esse modelo de ciência refletiu-se na separação quase irreconciliável da teoria da prática, afastando o conhecimento do auto-conhecimento, a crítica da auto-crítica, a razão da sensibilidade, o eu do outro.
Durante séculos privilegiou-se a percepção e o pensamento abstrato, desconsiderando-se a subjetividade, o imaginário, a arte e as emoções como fonte e processo de conhecimento e aprendizagem. Em resposta à fragmentação do saber surge a necessidade de pensar o homem e o processo de produção e transmissão de conhecimentos numa perspectiva simbólica, que contemple a complexidade do ser e que viabilize novas práticas pedagógicas que promovam o desenvolvimento global da personalidade e que contemplem uma perspectiva ético-estética da existência.
Ao se trabalhar com recursos vivenciais e artísticos no contexto escolar, pode-se aliar a consciência matriarcal à patriarcal no processo pedagógico, o que pode ser um caminho para a integração do conhecimento ao auto-conhecimento, possibilitando o resgate da noção de sujeito em sua dimensão renovadora e criativa.


Dados do livro:
Título: EDUCAR COM ARTETERAPIA
propostas e desafios

ORGANIZADORA: GRACIELA ORMEZZANO
244 páginas ISBN/COD. BARRAS: 978-85-7854-122-4 Preço: R$ 42,00
Os textos que compõem esta coletânea abarcam um leque bastante amplo dos processos educativos: os de educação formal, comprometidos com o sistema educacional institucionalizado e hierarquicamente estruturado, que se estendem desde a educação de crianças até a pós-graduação; os de educação não formal, que atendem aos situados à margem do sistema de ensino e se dirigem a promover a inclusão daqueles que o sistema escolar pode ter marginalizado; e os de educação informal, em que o fazer educativo está subordinado ou indiferenciado de outros processos sociais.
Nesse sentido, podemos entender que todo processo terapêutico é um processo educativo informal, porque não surge como algo distinto e predominante na ação, não possui um contorno nítido especificamente educativo e se dá de maneira difusa ou espontânea. A Arteterapia é extremamente inclusiva e pode oferecer algumas saídas para os novos desafios do campo educacional.

Um comentário:

Marcia Accioly disse...

Oi Patrícia,

Parabéns pelo "novo filhote"! Como faço para adquiri-lo - direto na editora Wak ou com você?
Sucessos e que venham mais, pois assim a gente adquire e amplia conhecimentos!
Bjs