"Que te devolvam a alma homem do nosso tempo. Pede isso a Deus ou às coisas que acreditas: à terra, às águas, à noite desmedida. Uiva se quiseres, ao teu próprio ventre se é ele quem comanda a tua vida, não importa... Pede à mulher, àquela que foi noiva, à que se fez amiga. Abre a tua boca, ulula, pede à chuva. Ruge como se tivesses no peito uma enorme ferida, escancara a tua boca, regouga: A ALMA. A ALMA DE VOLTA." (Hilda Hilst)

06/02/2009

Praia do Espelho... mar demais!




MAR DEMAIS

O mar das nossas viagens
divide horizontes e cais,
e nos dois lados acena
a opção de ir ou ficar.
Quem navega, não pensa
em perda nem permanência:
só busca ocaminho das ondas
e do ar.
O mar da esperança é fundo,
quem nele navega é rei:
pois se estrelas são miragem
entre cais e horizonte, cada viagem
chega mais perto da fonte:
isso não se pode medir nem
mudar.

(Lya Luft)


Um comentário:

Lidya Heitor disse...

Olá Patrícia Pinna, sempre bom ler seus materias de trabalho e pesquisa. Esse poema da Lya Luft é lindo. Tenho recebdo seus e-mals e repassado para as amigas Arteterapeutas da nossa ASPOART-RN.
Um abraço e venha nos vistar.
Beijos,
Lidya Heitor