"Que te devolvam a alma homem do nosso tempo. Pede isso a Deus ou às coisas que acreditas: à terra, às águas, à noite desmedida. Uiva se quiseres, ao teu próprio ventre se é ele quem comanda a tua vida, não importa... Pede à mulher, àquela que foi noiva, à que se fez amiga. Abre a tua boca, ulula, pede à chuva. Ruge como se tivesses no peito uma enorme ferida, escancara a tua boca, regouga: A ALMA. A ALMA DE VOLTA." (Hilda Hilst)

15/12/2009

Um pouco mais de poesia para acender meu dia...

ROSTO COM DOIS PERFIS

Renuncio às palavras e às explicações
Ando pelos contornos,
Onde todos os significados são sutis, são mortais.

Não quero perder o momento belo.
Quero vivê-lo mais,
com a intensidade que exige a vida:
desgarramento e fulguração.

Então me corto ao meio e me solto de mim:
a que se prende e a que voa,
a que vive e a que se inventa.

Duplo coração:
a que contempla e a que nunca se entende,
a que viaja sem saber se chega
- mas não desiste jamais.
(Lya Luft)



Um comentário:

isis disse...

mto linda essa poesia! assim como o seu site.. parabéns