"Que te devolvam a alma homem do nosso tempo. Pede isso a Deus ou às coisas que acreditas: à terra, às águas, à noite desmedida. Uiva se quiseres, ao teu próprio ventre se é ele quem comanda a tua vida, não importa... Pede à mulher, àquela que foi noiva, à que se fez amiga. Abre a tua boca, ulula, pede à chuva. Ruge como se tivesses no peito uma enorme ferida, escancara a tua boca, regouga: A ALMA. A ALMA DE VOLTA." (Hilda Hilst)

06/11/2008

Auto-retrato

O que eu eu abro, eu fecho;
o que eu começo, eu acabo;
as sementes que eu planto, eu rego,
e o que eu não quero mais, porque não me faz mais bem, eu arranco pela raiz.

O fogo que eu ateio, eu alimento;
a minha cria, eu lambo,
e quando os filhotes crescem e estão prontos para a vida, eu os empurro para o mundo, eu os libero...

É assim que eu expresso a Força;
é assim que eu expando o Amor;
é assim que eu reverencio a Vida.

(minha autoria, 1999)


2 comentários:

fabrelier disse...

Os frutos que vc está colhendo agora são resultado das sementinhas lançadas há muito tempo...
Saudades da graduação na UNIP, saudades da Pós...
Obrigada por compartilhar conosco "seu pote de ouro".
Deus te abençoe!
Sucesso!!!!

Patrícia Pinna Bernardo disse...

Obrigada Fabi, serei eternamente grata aos meus alunos e ex-alunos pelo carinho e pela grandeza de coração com que recebem os meus ensinamentos! Bjs